Sei que um dia encontrarei um mundo assim.

Onde as pessoas olhem nos olhos umas das outras e se respeitem mutuamente não importando com a cor de seus corpos, com a escolaridade que tenham, com o poder que tenham conquistado, com a classe social a que pertencem, com a escolha sexual que tenham feito, com a religiosidade que praticam e com as roupas que vestem.

Serão pessoas que conseguirão desenvolver a sensibilidade de entender os seus semelhantes e a vida sem se apegarem a conceitos determinados.

Esse mundo foi a Numerologia Pitagórica que me apresentou. Certo dia resolvi olhar e contemplar os mapas Numerológicos que eu tinha interpretado. Olhei para esses mapas visualizando as pessoas conforme os seus números. 

 

Vi que as pessoas que tinham o número 1 iriam liderar as demais. Abririam caminhos novos e caminhariam com elas rumo as conquistas.

E assim, essas pessoas não seriam arrogantes, autoritárias e egoístas.

 

Olhei para as pessoas que tinham o número 2 e visualizei o seu poder de unir as pessoas. De não permitirem que a solidão fizesse parte da vida.

E assim, essas pessoas não seriam submissas e nem depressivas.

 

Vi as pessoas com o número 3 incentivando e mostrando o valor das amizades.

Sendo alegres, divertidas e bem-humoradas.

E assim, essas pessoas não seriam apreensivas, histéricas e desordeiras.

 

Cheguei bem perto das pessoas com o número 4 e pude verificar o prazer que elas sentem em trabalhar. E de terem uma vida ordeira e disciplinada.

E assim, essas pessoas não seriam mesquinhas e sovinas.

 

Quando olhei para as pessoas com o número 5 verifiquei a força que elas carregam de inovarem, de recomeçarem e de desejarem por novas possibilidades.

E assim, essas pessoas não seriam irresponsáveis e inconsequentes.

 

Ao olhar para as pessoas com o número 6 visualizei a harmonia e a paz que elas podem gerar na sociedade e no mundo através da conciliação.

E assim, essas pessoas não seriam fofoqueiras e intrometidas.

 

Quando cheguei perto das pessoas com o número 7 pude verificar a beleza de suas descobertas através da pesquisa, da reflexão e da busca por conhecimentos.

Vi que essas pessoas têm uma intuição aguçada e que praticam a espiritualidade como uma forma de entenderem a si mesmas, as pessoas, a sociedade e o mundo.

Eram fiéis e honradas.

E assim, essas pessoas não seriam arredias, confusas e excessivamente exigentes.

 

Ao chegar perto das pessoas com o número 8 presenciei a sua naturalidade em serem honestas, corretas e verdadeiras.

E assim, essas pessoas não seriam autoritárias e nem usariam as outras pessoas em interesses próprios.

 

Quando me deparei com as pessoas com o número 9 surpreendi-me pelas suas condições naturais de serem solícitas, humanas, generosas e desprovidas de quaisquer preconceitos. 

Focam a sua vida na sobrevivência digna de toda a humanidade.

 

São pessoas sensíveis, emotivas e carregam a intuição como um leme que guia as suas vidas.

Consideram a prática de espiritualidade um caminho seguro e eficiente para transformarem as pessoas e o mundo para melhor.

E assim, essas pessoas não seriam possessivas, acusadoras e temperamentais.

 

Foi assim que a Numerologia Pitagórica me apresentou um outro mundo.

Um mundo que estava previsto de ser vivido por cada um de nós.

Seria assim o mundo nosso atual.

 

Onde foi que nós humanos nos perdemos já que o nosso mundo atual, não é assim?

Não. Nós humanos não nos perdemos.

Nós, humanos, ainda não nos encontramos.